16.2.11

Os teus poemas










Os teus poemas
não são feitos das palavras,
são desenhos imaculados
páginas brancas
que o teu corpo molda
e na clareza com que o fazes
arrasas os compêndios
e os manuais
das regras e das físicas.
Somos o olhar,
e cada beijo que trocamos
sabe a silêncio
e goza-se o estalido
dos nossos lábios humedecidos
colando-se
descolando-se
no final de cada dia.
As memórias
são tempo de cama
de indizíveis gestos
e do teu cheiro
que me invade e permanece
como tinta indelével
assinando o meu dia
adicto de ti


2 comentários:

Anónimo disse...

Esta é uma forma linda de se dizer ...a quem quer que seja!

b r i s a disse...

sensualidade implícita...gosto!