27.4.10

Poemas de Ti (22)





É no desejo que me arrecado,
nesta vontade de encontrar-te,
nos olhos que ardem
só de te olhar,
e querer no teu toque
esquecer tudo
perder-me.
Há presságios que te anunciam,
sinto-te, mesmo que o silêncio
te esconda,
cheiro-te pelo meio das rosas
e dos vidros dos perfumes,
e nos livros
nada entendo do que sentimos
mesmo quando nos cruzamos
nas palavras cortadas,
nas tuas mãos, ternas,
que me passam folha a folha
sem sumário nem fim,
nesta história,
nesta coragem de te beijar,
e de sermos apenas nós
nus.


2 comentários:

b ú z i o disse...

DESLUMBRANTE!!!
sortuda a musa deste teu poema...
bj grnd

Jorge Bicho disse...

amiga, muito obrigado,
pena que não consigo escrever no teu blog
JB