12.4.07

Na metade da minha cama


Na metade vazia,
do lado frio da minha cama
na farta solidão
que alaga e vence
a tua ausência,
recolho-me no meu canto
onde me perco,
os joelhos retesados
no meu peito,
os olhos fechados
nas memórias,
as mãos percorrendo
o lado
onde devias
estar.
Na metade da minha cama,
do lado onde estarias,
deixo um poema
com o desenho do teu nome,
e acordado
percorro a noite,
estendido
deixado,
na revolta surda
de saber
quanto perdi.

4 comentários:

Vanda Paz disse...

É quando estamos sós que sentimos mais a ausência de quem nos toca cá dentro...
Por cá tenho sentido a tua ausência na poesia...
Bonito poema.
Beijo

Vera Carvalho disse...

Sei que na ausência os poemas não nos reconfortam o coração e estes teus versos mostram isso. Adorei.
Um abraço

Isa&Luis disse...

Olá,

Belo o teu poema, um libertar de recordações, que se chama saudade!


Um optimo fim de semana com muito sol e alegrias

Beijinhos

Isa

Vera disse...

Querido JB,
um magnífico poema, que me toca profundamente.

♥*´¯`*Mil beijos doces*´¯`*♥