23.4.07

Entra


Entra,
tens a chave,
sabes
que podes vir;
ousa entrar,
quando ousares,
tens os meus discos
que podes escutar
tens os meus livros
e o meu sofá,
onde te estendes e adormeces
na minha espera.
Entra,
a sala é tua
e o meu copo
espera o teu
para que se encham
nos nossos olhos colados
abertos no desejo
de nos termos.
Entra,
abre as janelas,
debruça-te na varanda
que se dobra
beijando a rua
onde o amor nos encontrou.
Entra
que eu saberei que chegaste.
A casa está iluminada,
a porta entreaberta,
a toalha estendida,
o jantar servido.
Entra,
a casa é tua.

2 comentários:

Anónimo disse...

quem dera entrar nessa tua casa iluminada de tanto amor,de tanta paixão que também me ilumina a alma,o pensamento e o querer...poder ter-te só para mim,nem que fosse uma só hora,um só momento,sem fim marcado,sem nada esperado...com tudo encontrado...partilhar contigo as minhas dores,os meus segredos,as minhas alegrias...enfim,a minha vida ...feliz por te poder ter,na tua casa iluminada,sentir os teus odores e ali poder permanecer sem pressa de sair...de ti...da tua vida...do nosso momento...da tua casa onde quero ser sempre feliz.
Guardo a chave...

Vera disse...

Querido JB, este é um dos poemas mais belos que já li!
Garanto-te que eu entraria e ficaria para sempre ao teu lado!

Mil beijos