7.9.06

Ao cair da noite

Foge-me o tempo
entre os dedos
e os meus dias
são histórias breves
reveladas
repetidas.
No cair da noite
desce no meu peito
a tua ausência
e o teu silêncio
grita
estrondosamente
o quanto insisto em que me faltes,
e que digas a toda a gente
dos meus olhos cansados
meus braços caídos.

Meu corpo desce
em queda livre
amparado ao sofá de sempre,
o meu copo sempre vazio
bebe as palavras
que recuso guardar.
Ao cair da noite
a cama cínica,
vazia,
fria - guardada.
Os lençois ainda dobrados
cobertos da tua memória.
No cair da noite
não há hora
de a madrugada
voltar.

1 comentário:

rossanamador disse...

tinha saudades de te ler em cada palavra
tinha saudades de imaginar cada história em cada ponto...
tinha saudades de te sentir em cda martelas de teclas...tinha saudades de te ler!

Relamp