4.2.09

A Chuva


A chuva
vem com as nuvens,
rio que desagua
nos olhos,
cinzentos.
O sol acorda,
e sabe-me bem esfregar os olhos,
e perdurar no desejo
de me agarrar a esta luz
que amo - benfazeja.
Agarro os pedaços de luz
fugidos deste rio interminável
desaguado destas nuvens
cinzentas
carregadas,
O Inverno perdura,
indomável
a chuva dança com o vento
fustiga
depois sai de palco,
nem sei se volta,
nem me importa,
é água
sempre água.

6 comentários:

Vanda Paz disse...

Gosto de chuva, de ouvir a sua música, de senti-la a escorrer na face. Gosto de estar à lareira e senti-la lá fora enquanto te leio

(também gosto de ti, amigo das letras)

Beijo

disse...

O frio vai-se rapidamente depois que a deixemos chegar perto,
Aquecemo-nos no seu aconchego e aquece-lhe ainda a evaporação do nosso soluçar...
Sabe bem o seu sabor a sal.
Um grande beijinho tio.

frAgMenTUS disse...

Jorge, tal como uma chuva intensa e abundante, assim me corriam as lágrimas quando escrevi a "Carta à Poesia"...às vezes, na vida, impõe-se-nos desafios q implicam abnegação para serem superados...eu vou pensar que não me vou anelar, mas amadurecer e tenho esperança de adquirir asas em futuros vôos poéticos, só quero merecê-las, é uma questão de reconquista e de força inetrior...é uma prova de amor, e isso diz tudo...há q arriscar, pois permanecer na rotina, e evitar a mudança, é como ser avestruz e enterrar a cabeça na areia e eu, sou coração, não posso negar as suas batidas q podem, e devem ser sempre, de amor.
"nem sei se volta,
nem me importa,
é água
sempre água." :)
A tua poesia é linda, eu adoro-a e continuarei a segui-la, com carinho.
Escreve sempre, flui e partilha!
Obrigada
Bj grnd de luz e paz

Mr. Ziggy disse...

Eu sou um eterno apaixonado pelos dias nublados, chuvosos e cinzas. Mas confesso que houve dias em que esperei ansiosamente por um lugar ao sol. Faz parte. Só que a chuva - ah, a chuva! - é a minha predileta.

Gostei daqui! Parabéns!

T disse...

O seu a quem é de direito.

T disse...

Reestabelecida a ordem na minha xafarica.