7.2.08

Amar à desfilada


foto de: Elena Vasileva

Os teus cabelos,
caem no meu peito
trazendo esse teu ar quente
sôfrego
sofrido,
repetem-se molhados
suados
deixando a minha boca
emudecida,
desejando a eternidade
em cada toque da tua pele
nesse teu cheiro
que me embriaga a memória
e me faz testemunha.
da violência meiga das tuas coxas
que se empurram
encontrando meus quadris
onde desfilas em galope,
amazona do meu corpo.
Percorro as tuas pernas
como um vagabundo,
pernoito nas tuas esquinas
e tapo-me com os sorrisos
que me fazem teu:
E na força que nos toma.
E nos permite.
E nos torna louco sem limites.
- beijo as tuas lágrimas
que caem de dentro
deste amor impossível,
de marés revoltas
contra quebra-mares que nos
adoçam
e tornam teu mar
meu porto
minha dança,
na chuva morna
que cai de ti e provo
louco
do desejo de voltar.
E no fim,
quando o desejo se retempera
em abraços calados
sinto-te como se sente
a brisa fresca da tarde
chegando,
num sorriso,
nascido outra vez.

8 comentários:

Menina do Rio disse...

E o desejo há que ser sempre retemperado...

Um beijo

Vanda Paz disse...

Voltaste??? Boa...

Lindo...

Beijo

PoesiaMGD disse...

Uma estonteante dança, um poema intenso e muito sensual! Lindo!
Um beijo

Vera disse...

"chegando,
num sorriso,
nascido outra vez"

Um poema lindíssimo, como sempre, cheio de ternura e sensualidade!
Adorei JB!

Beijo

Vera disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vera disse...

Tens um prémio no meu blog!

Beijo

Rosa Maria Anselmo disse...

Faz tempo que não te vinha visitar.
Deixei um miminho para ti no meu bog (dia 7.02.08) aceita-o, é com carinho.
jinhos
Rosa Maria

Vera Carvalho disse...

Ah, Jorge, as tuas palavras ostentam o desejo e cumprem magistralmente as honras do amor.
Lindo como não poderia deixar de o ser.
Beijos.