5.1.08

Vento das palavras


O vento sopra violento
não me conhece
não obedece,
resgata à minha pele
o calor que deixaste
lembrança e oferta
do frio que permanece.
Aqueço-me à memória
do teu olhar
inquietante,
trespassante,
janela aberta
que se fecha em palavras
intactas
que abro
desmembrando
em sons
entoados pelo meio do
tempo
que nos leva
como torrente incontida
chuva que brota
convulsiva
das mãos abertas
das dádivas mútuas
que só vê quem percebe
só quem escuta
pode contar.

3 comentários:

T u r t l e M o o n disse...

lindíssima esta memória evocada pelo vento e pela chuva!!!bjs

Vanda Paz disse...

As palavras... as palavras... por vezes vento, outras brisas... chegam até a ser beijos que nos tocam nos lábios ao de leve... muito ao de leve...

Muito bonito

Beijo

T disse...

Gostei muito deste!! Podia ser a letra de uma canção. Aliás... a própria letra já é uma canção. muito bom Jorge.
Beijo
T