11.6.07

Duetos - O Sol


A clarabóia aceita o Sol que se derrama
por entre teus cabelos, semeados
perdidos em sonhos, em feitiços
estendendo docemente
a luz por teus olhos,
com que beijas
meus lábios que tanto te querem,
ansiando a fosca sombra
do entardecer.
Pressente-se o calor dos corpos
na doce e terna nudez
com que aventuramos
cada nova descoberta
cada terno e simples entrelaçar
cada toque,
na explosão da alegria
com que saímos de nós e nos olhamos
loucos
felizes.
O mar inveja cada gesto teu,
de tão perfeito que és,
de tão unos que somos.
No céu abre-se a cor
que imita o azul do teu olhar,
e quando nos fitamos,
perdemo-nos no sentido,
tão intenso,
tão verdadeiro,
tão puro,
deste amor de almas
e corpos embriagados
escorrendo
na nudez dos sentidos.
E de nós dois sabe bem
Ficar assim.
Dueto publicado no Luso-Poemas com Vera Silva

1 comentário:

Vera disse...

Foi um prazer e uma honra Jorge!

Beijinhos