4.12.06

Destinação

Embora o meu ser te reconheça
E entenda nos teus braços o prazer;
Não posso, nem quero, nem mereço
Tudo o que m’entregas por querer.

Não te ouso dizer aquilo que sinto,
E se por acaso és tu que quer fugir,
No teu sorriso eu m’escondo e minto
E teus beijos e teu colo sei pedir.

Há um sabor amargo quase cínico
Que diz que contigo me perdi
Destino mágico, feitiço químico

Histórias comuns de toda a terra
Q’um amor impossível sempre encerra
No futuro dos amantes que eu já li.

5 comentários:

rossanamador disse...

ola meu caro jorge...aqui vim eu numa visitinha!!!bom...continuo a gostar dos teus poemas...da forma como te expressas...se bem que no caso deste...ache que este verso
"No teu sorriso eu m’escondo e minto
E teus beijos e teu colo sei pedir."
parece existir qualquer palavra que retira a melodia do poema!beijinhos e espero q n te importes pelo meu "reparo"...
beijinhos

Margarete disse...

... destino mágico este que nos guia e nos leva em sopros de ventos sem norte rumo onde nunca julgavamos ir...

... vim aqui parar, à sua casa, e que bela é a sua casa!

Parabéns querido amigo!

Roxanne W. disse...

ola..queria só aqui, no teu cantinho, deixar um beijo de ternura e de parabéns pelo merecido lugar de colaborador do mês. não se trata de nenhuma corrida, me de nehuma competição, mas sim do reconhecer a qualidade e a sinceridade em cada letra. beijinhos Relamp

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Jorge Bicho disse...

Este meu canto, está aberto a quem queira ler e partilhar. a gente baixa e sem nível, por favor, escusa de entrar, não é bem vinda... sei muito bem de quem vem estes comentários e não dou para esse peditório. és muito baixinha...