14.9.07

Abismo




Como um abismo,
salto cego
para o voo,
procuro que a queda
dure e se prolongue -
que a terra espere.
O desejo desrespeita-me,
tremo na provocação
no desafio
com que
meu peito salta,
ao sentir
que talvez,
por uma vez
te possa ter.
Antes fosses só um corpo.
um único desejo.
Irrompe como um segredo
toma-me,
abrasa-me, violentamente.
nem procuro um olhar
nem doçura nas palavras
só a intensidade da carne
o cheiro que me volta
a pele que me toca
o toque que me desfaz
vontade insuportável
de desferir em cada grito
a violência obscena
que deixa em cada
um
a marca simples dos silêncios
a ausência das memórias
o grito por outros voos
que a terra não possa perceber,
como um abismo
entre mim e ti.

6 comentários:

Menina do Rio disse...

As vezes saltamos do abismo em queda livre, perdendo-se nas memórias...

beijos

PoesiaMGD disse...

Belo, intenso e maravilhoso! Adoro o que escreves!
Queres publicar num site novo? Ainda está em construção, não está perfeito, mas podemos fazer dele um grande site! Com tempo e ajuda!
escritartes.com/forum
Um abraço
goreti

MIGUEL BARROSO aka Girassol disse...

abissalmente abissínio!!

Isa&Luis disse...

Olá, amigo!

Palavras repletas de emoções ao rubro.

Beijos

Isa

Rosa Maria Anselmo disse...

Olá Jorge
Vim passear pelo teu blog e gostei claro. Os teus poemas continuam a encantar-me.
Se me permitis adiciono o teu blog ao meu. Espero permissão
jinhos
Rosa Maria Anselmo

PoesiaMGD disse...

A metodologia do novo site é em tudo parecida com a de outros... No tópico "ajuda" podes satisfazer a tua curiosidade. Para te registares, é como nos outros com a particularidade que este exige um email verdadeiro porque é através dele que recebes um link para ficares de facto membro efectivo. Depois, para publicar é só clicar em "Novo tópico" nas diversas tipologias. Para comentar faz-se um clique em resposta e já está! É muito simples!
Gostava de te ter por lá!
Beijo