19.7.07

Há quanto tempo não fumo




Dou por mim sem o cigarro de sempre. as mãos desgovernadas, a dôr intensa de um peito despovoado, os lábios sem a mortalha, sem o calor que tanto me consola.Dou por mim sem o fumo, sem os dois dedos cúmplices, sem o retrato estereotipado do pensador. dou por mim sem cigarros, sem enlouquecer, tantando perceber que sou livre, mas estou preso na saudade. Ai cigarro, que mal fazes, que falta fazes. nem o cachimbo, nem a cigarrilha me vale, é o cigarro que me falta. De nada vale, o cigarro vai ter de me abandonar...

2 comentários:

Roxanne W. disse...

leio-te e fico aqui envolta numa névoa de fumo e pensamento...quem me dera escrever assim...como tal não sou capaz delicio-me a ficar por aqui a ler-te...beijo enorme

Vera disse...

Malditos cigarros!

Beijo