7.2.07

Dentro do teu peito


foto de José Gama
Dentro do teu peito,
há um lugar disfarçado
onde me escondes em silêncio,
onde entro e pernoito
descansando dos dias vazios,
dos dias cheios de nada,
bem ao teu lado,
embriagado do teu cheiro
de mulher que quer
e me deseja.
Serves-te do meu coração
e procuras as palavras
que nunca tenho comigo,
as que guardo e não te entrego.
as que sempre faço por esquecer,
certo de que sempre as procuras.
Olhas-me na intensidade
de um olhar verdadeiro,
afrontando as máscaras
com que me disfarço,
com que arrefeço teus seios
no toque frio do simples desejo.
Deixo-te todas as horas
com um beijo
que maltrata tua boca,
e espicaça as coisas
que sempre se calam,
os segredos
com que me cubro nas noites
sem ti.
E quando me aparto,
e meu desejo se despega do teu colo,
sou teu fugitivo
irremediavelmente voltando
na busca do teu peito,
onde me escondo
e encontro
o descanso dos dias sem ti

4 comentários:

Anónimo disse...

E dentro do seu peito?
Uma porta bem fechada cuja chave se perdeu ou apenas e só frios desejos?
bom descanso, fugitivo!
lê-lo é sempre um prazer
fã a.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

"Dentro do meu peito" existe um poeta, Homem, repleto de paixão...

Parabéns pelo teu maravilhoso poema...

T

PoesiaMGD disse...

Belo, muito belo! Adorei, como sempre adorei toda a sua poesia!
Um abraço