18.1.07

A minha vida sentou-se


Foto de Paulo César
A minha vida sentou-se
na soleira do albergue
que me atende.
despediu-se da morte
com o mesmo sorriso
com que escarnou da lama
que hoje lh’é companheira.
Já se foram as compaixões
e os gestos de amor,
e cada leito, não tem sentido
de coito, nem do acto,
apenas esteira
onde descarrega
o que pesa e não faz falta.
A minha vida está sentada
esperando não sei o quê…
olho os dedos
que se estendem dum pedaço
de carne inerte e queimada
dos pedaços de sonhos
que ajeito entre uma mortalha
de papel
de pano roxo
de pinho.
A minha vida sentou-se
porque se desfez no cansaço
de ser diferente e ser louco,
de amar a miragem e o insensato
e só escutar dos lábios
o que traz o sangue do coração.
É sempre carne que fala
dinheiro, vantagens
poder, luxo, perfídia,
demais para quem se obriga a ficar só.
Mas a minha vida sentou-se
talvez para voltar donde saíu,
do pó
do sangue, e um amor
que por estar morto
não sabe dizer mãe,
e d’outros amores que eu teria
ficou-me um pedaço de terra
onde sei pode crescer um sonho,
mesmo sentando-se a vida.
A minha vida sentou-se
olhos cansados,
ficou a morte
a seus pés, brincando de menina.

4 comentários:

Margarete disse...

Posso brincar com a morte aos seus pés? Enquanto o faço entretanho-a e faço com que se esqueça que você aí está...

Eu choro e grito cada poema seu.

Isa&Luis disse...

Um poema interessante! Tanto que o li três vezes.
Um abraço.
Luis

Conceição Bernardino disse...

Divinal


Amigo,
Parte integral de liberdade
Alguém com quem saboreamos tudo
Expulsamos o preconceito, ambiguidade
A quem oferecemos o olhar mudo
Amigo,
Não importa quem és,
De onde vens
Se estás presente ou ausente!
Amigo,
Alguém que sinto
Que está sempre comigo...

Conceição Bernardino
Tenham uma boa semana com muito amor

Meus blogs http://amanhecer-poesia.blogspot.com

http://sentidos-visuais.blogspot.com

Conceição Bernardino disse...

Olá,
Que posso eu dizer se os meus olhos não falam!
Transmitem emoções, a essa beleza inconfundível
Que as palavras me transmitem
Aqui estou eu para te dar o meu gesto de carinho
Soberbo...

Conceição Bernardino